breve tempus

momentos na cultura antiga

domingo, dezembro 10, 2006

Éris, a Discórdia

Há alguns meses, a lista de planetas do sistema solar foi alterada. O nosso sistema é agora constituído por apenas oito planetas. Plutão deixou de ser um planeta do sistema solar e passou a ser um planeta anão. Estas alterações devem-se ao facto de a UAI (União Astronómica Internacional) ter alterado a definição de planeta e ter criado uma nova categoria de corpos celestes – o planeta anão.

Segundo a quinta resolução da UAI, um planeta é um corpo celeste que:

1. Está na orbita do Sol
2. Tem massa suficiente para que a sua auto-gravitação lhe permita assumir uma forma hidrostaticamente equilibrada, ou seja, arredondada.
3. Tenha limpo a vizinhança à volta da sua órbita.

Um planeta anão é um corpo celeste que:

1. Está na orbita do Sol
2. Tem massa suficiente para que a sua auto-gravitação lhe permita assumir uma forma hidrostaticamente equilibrada, ou seja, arredondada.
3. Não tenha limpo a vizinhança à volta da sua órbita.
4. Não é um satélite.

Deste modo, o sistema solar é actualmente composto por oito planetas: Mercúrio, Vénus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno; e ainda, por dois planetas anões: Plutão e Éris.
Já todos, ou quase todos, conhecemos as divindades correspondentes na mitologia greco-latina. No entanto este último planeta anão, Éris, não é assim tão conhecido.
Na última tradução Portuguesa da Ilíada encontrei o seguinte:

Aos Troianos incitava Ares; aos Aqueus, Atena de olhos garços,
assim como o Terror, o Medo e a Discórdia sempre furibunda,
irmã e amiga de Ares matador de homens –
ela que primeiro levanta um pouco a cabeça, mas depois
fixa a cabeça no céu, enquanto caminha sobre a terra.
Foi ela que atirou para o meio deles o conflito que chega a todos,
ao percorrer toda a turba, assim aumentando os gemidos dos homens.


Ilíada, IV, vv. 439-445.

A Éris é justamente essa Discórdia que, no casamento de Peleu e Tétis, lançou a maçã da discórdia. Éris não foi convidada para esse casamento, já para evitar problemas, no entanto, ela armou-se em penetra e infiltrou-se no copo de água. Quando os deuses estavam “numa boa”, comendo e bebendo a ambrósia divina, Éris lançou uma maçã dourada para o meio dos convidados com a inscrição “para a mais bela”. Hera, Atena e Afrodite disputaram a maça e Zeus achou por bem chamar Páris para decidir qual das deusas seria a mais bela. Incontornavelmente, Páris escolheu Afrodite. Para o recompensar, Afrodite apoiou Páris no rapto de Helena, a causa primordial da destruição de Tróia.
É esta a Éris que temos agora como companhia no nosso cantinho do universo. Não posso deixar de pensar que nos dias que correm foi um nome muito bem escolhido.

Etiquetas: , ,

1 Comments:

At 1:41 da tarde, dezembro 27, 2006, Blogger Susana Alves disse...

Hum... Então Esse planeta-anão chamado Éris é o tal Sedna que aqui há dois ou três anos foi considerado o nono planeta do sistema solar? Éris é o nome oficial daquele que substitui provisório Sedna? Deixaste-me na dúvida. Vou averiguar.
Mas quanto à aproximação clássica, pareceu-me muito bem!

 

Enviar um comentário

<< Home